fbpx

Esta imagem simboliza o maior problema do Brasil. Dois estudos liberados esta semana explicam o porquê

Divisa entre a favela Paraisópolis e o Morumbi, bairro nobre da cidade de São Paulo: imagem virou um dos símbolos da desigualdade social no país (Imagem: Getty Images)

Nesta semana, a divulgação de novos estudos trouxe à tona um problema antigo no Brasil. Por isso, nossa Causa da Semana é o COMBATE À DESIGUALDADE.

Na quarta-feira (14), um relatório liderado pelo economista francês Thomas Piketty, autor de “O Capital no Século XXI”, apontou que, no Brasil, os 10% mais ricos concentram 55% da riqueza, o que nos coloca no topo do ranking de concentração de renda.

De acordo com o relatório, os níveis de desigualdade têm aumentado mais em países como Rússia, China e Índia. Mas isso está longe de ser uma boa notícia pra gente: apenas no Oriente Médio há mais riqueza concentrada no topo da pirâmide.

Nessa sexta-feira (15), o IBGE divulgou outro dado alarmante. Segundo a pesquisa Síntese dos Indicadores Sociais, brasileiros com origem no topo da pirâmide social têm quase 14 vezes mais chances de continuar nesse estrato do que pessoas nascidas na base.

O estudo também mostrou que tarefas domésticas impedem um terço das mulheres jovens de trabalhar ou estudar – e que 13 milhões de brasileiros ainda vivem em condição de pobreza extrema.

Diante das estatísticas negativas, quais seriam as alternativas para diminuir o abismo social brasileiro?

O relatório liderado por Piketty defende a adoção de regimes tributários progressivos, que aumentem a carga de impostos sobre os mais ricos e suas heranças.

Na terça-feira (12), a economista Monica de Bolle, pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional e professora da Universidade Johns Hopkins, publicou artigo em que apresenta argumentos favoráveis e contrários à adoção da renda básica universal e da tributação progressiva.

Monica trata a questão como uma discussão a ser feita com urgência. Citando a obra “Tributação e Desigualdade”, ela diz que nosso sistema tributário não só não contribui para reduzir a concentração da renda dos indivíduos, como potencializa a concentração da riqueza.

 

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.