fbpx

Cooperação humanitária em favor do Líbano

As imagens impressionantes da explosão em Beirute, capital do Líbano, na última terça-feira correram o mundo e deram uma dimensão da tragédia. Até agora são mais de uma centena de mortes e 300 mil desalojados. Um terço da cidade está coberta de escombros e estilhaços, com danos materiais estimados em bilhões de dólares. O estrondo ensurdecedor foi ouvido no Chipre, há mais de 200 km do local. 

A explosão em Beirute ocorreu na zona portuária e foi motivada pelo mal armazenamento de toneladas do químico inflamável nitrato de amônio. Os silos de grãos foram destrídos, prejudicando 80% do estoque libanês de trigo, num país em que o pão é a base das refeições.

A tragédia se soma à crise sanitária, provocada pela pandemia do novo coronavírus, e à crise política e econômica que já dura mais de nove meses e deixou quase metade dos 4,5 milhões de habitantes abaixo da linha da pobreza. Os preços dos produtos básicos aumentaram 60% e mais de 200 mil trabalhadores (35%) perderam o emprego nos últimos meses.

Os mais jovens são incansáveis nos protestos e ocupam as ruas constantemente para clamar por reformas e derrubada da elite política, acusada de esvaziar os cofres estatais e distribuir poder em função de cotas religiosas. 

Há ainda mais um agravante financeiro no país, que importa 80% do que consome para sobreviver: o Líbano é um dos que abrigam maior número de refugiados por mil habitantes, com um total de 1,5 milhão de refugiados sírios e 400 mil palestinos. 

ESFORÇO INTERNACIONAL

Em julho, a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, já havia alertado para a necessidade de ações humanitárias e cooperação internacional para tirar o Líbano da crise. O apelo ganha tom emergencial.   

O embaixador do Líbano em solo brasileiro, Joseph Sayah, declarou ao G1 que conta com a ajuda do Brasil para enviar insumos hospitalares, materiais de construção e principalmente alimentos.

Alguns setores da sociedade brasileira já se mobilizam para enviar ajuda, como o grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) que está organizando uma campanha para sensibilizar as autoridades brasileiras a facilitar o envio do estoque de 40 mil cm² de pele de tilápia às vítimas da explosão, já que o material tem efetividade comprovada no tratamento de queimaduras.

Vale lembrar que temos relações históricas com o país do Oriente Médio. A comunidade libanesa que vive aqui tem cerca de 12 milhões de pessoas, um terço da população do Líbano, que enriquecem nossa cultura com sua culinária, arte, engenharia e medicina – vários  profissionais de origem árabe estão na linha de frente da luta contra a Covid-19.

O momento é de solidariedade. Que o governo brasileiro não meça esforços para contribuir com as ações humanitárias na região. Que os feridos possam se recuperar logo e que o país faça valer a metáfora da estátua da Fênix, idealizada pela artista Hayat Nazer e erguida em 2019 na Praça dos Mártires, região central de Beirute. 

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.