fbpx

Abre-alas de horrores

ūüď∑ Marcelo Camargo/Ag√™ncia Brasil

Na ter√ßa-feira, Jair Bolsonaro foi autor, mais uma vez, de uma frase extremamente infeliz. Ao conversar com seus apoiadores, o presidente fez um coment√°rio machista sobre a rep√≥rter da Folha de S.Paulo, Patr√≠cia Campos Mello, e repetiu insinua√ß√Ķes sexuais mentirosas feitas na CPI das Fake News. Essa n√£o √© a primeira vez que algo assim acontece, e, por isso mesmo, fica a sensa√ß√£o de¬† que seus improp√©rios, cada vez mais cont√≠nuos, parecem ter a inten√ß√£o de bater algum recorde de mal gosto.¬†

Pouco mais de um ano depois de sua posse, j√° acumulasse um alt√≠ssimo n√ļmero de declara√ß√Ķes absurdas. Mas, apesar de ser claro que falta-lhe um decoro compat√≠vel com o cargo, n√£o seria poss√≠vel jamais acus√°-lo de estelionato eleitoral. Bolsonaro √© hoje quem sempre foi.

O ex-deputado federal ganhou manchetes depois de defender a ditadura e dizer a uma deputada que ela ‚Äún√£o merecia ser estuprada‚ÄĚ. N√£o satisfeito, depois de assumir a presid√™ncia, voltou a defender as torturas dos nossos anos de chumbo e a ofender pessoas que sofreram danos irrepar√°veis no per√≠odo, como o presidente da OAB Felipe Santa Cruz, cujo pai √© um desaparecido pol√≠tico, e Miriam Leit√£o, jornalista que sofreu abusos e foi torturada na pris√£o durante o Regime Militar.¬†

Apesar de um dos alvos favoritos do presidente ser a imprensa, Bolsonaro n√£o se resume a isso. Para ele, pessoas com HIV ‚Äús√£o uma despesa‚ÄĚ para o Brasil e os √≠ndios est√£o se tornando seres humanos ‚Äúiguais a n√≥s‚ÄĚ. Declara√ß√Ķes como essas v√£o al√©m da dissemina√ß√£o de not√≠cias falsas e rejei√ß√£o da ci√™ncia. Elas abrem alas para a propaga√ß√£o do √≥dio e para a redu√ß√£o do di√°logo.

O Presidente tem exibido, sem nenhum pudor, uma incapacidade inata para exercer seu cargo. Parece-lhe de um esfor√ßo herc√ļleo atuar com a dignidade e a honra caracter√≠sticas da posi√ß√£o. Mas voltar atr√°s nas declara√ß√Ķes, o que tem se tornado a regra, vale muito pouco se os improp√©rios continuam a ser soltos dia ap√≥s dia e alimentam ainda mais a divis√£o do pa√≠s.¬†

Talvez ele apenas não tenha noção do que está fazendo, mas, infelizmente, pagamos pela entrada de um show de horrores com duração de quatro anos. O que resta é a esperança de que, já que as palavras tem poder, ele resolva em algum momento optar pelo bom senso, ou, pelo menos, manter-se calado.  

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das √°reas de Administra√ß√£o, Antropologia, Ci√™ncia Pol√≠tica, Design, Gest√£o P√ļblica, Jornalismo, Rela√ß√Ķes P√ļblicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas compet√™ncias para promover as causas em que acreditamos.