fbpx

A causa da semana é um problema social complexo – e refletir sobre a solução é papel de todos nós

No dia 28, a Justiça derrubou a medida que autorizava a prefeitura a conduzir os moradores de rua para exames que determinariam sua internação compulsória.

Em pesquisa realizada ao longo da semana, o Datafolha aferiu que 80% dos paulistanos são favoráveis à internação compulsória como caminho para resolver a crise.

A distância entre a opinião da maioria e a última decisão judicial evidencia a importância de esclarecer o tema. Por isso, a causa da semana é a política de drogas em nossa sociedade.

Nos últimos dias, especialistas se posicionaram sobre a complexidade da questão. Na sexta-feira (26), Clarice Sandi Madruga, professora da Unifesp que acompanhou a implantação de um programa de acolhimento, disse em entrevista à Folha de S. Paulo que o nó da cracolândia “é o sistema social que negligencia o mais pobre.”

Ao assumir a secretaria de Direitos Humanos de São Paulo, na quarta-feira (31), a procuradora de Justiça Eloísa Arruda defendeu o acolhimento aos usuários da região por meio da abordagem policial (algo que a prefeitura já havia feito na semana anterior).

No mesmo dia, o médico Dráuzio Varella afirmou que não é possível acabar com a cracolândia, já que a região, em sua visão, “não é causa de nada, mas consequência de uma ordem social que deixa à margem da sociedade uma massa de meninos e meninas nas periferias”.

Independentemente da posição adotada pelos especialistas e autoridades, o que o episódio da cracolândia deixa evidente é que a questão das drogas tem implicações mais profundas do que o senso comum tende a apontar.

Todo e qualquer medida precisa levar em conta as implicações em áreas como saúde, segurança pública – e os evidentes desequilíbrios econômicos e sociais que envolvem o tema.

Organizações como o Instituto Igarapé, que se propõem a discutir políticas de drogas sob o viés dos direitos humanos, partem da premissa de que só uma abordagem integrada pode fazer frente ao avanço das drogas.

Em comentário sobre as ações da prefeitura na cracolândia, Ilona Szabó, chamou a atenção para os riscos de uma ação sem planejamento bem-definido. “O uso da força e o desrespeito com que foi usado em vários momentos não é justificado”, disse Ilona em debate na GloboNews.

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.