fbpx

4 lições sobre o futuro da responsabilidade social de 3 grandes varejistas dos EUA

(Crédito: Jim McIngvale: Michael Paulsen, Staff; Dave Schneider: Reprodução; Marc Brown: Reprodução/Twitter)

Responsabilidade social é uma preocupação antiga, que já virou premissa em empresas de todos os portes. Aplicar essas práticas no dia a dia de uma organização, no entanto, pode ser uma tarefa delicada.

Em tempos em que as reações das redes sociais a qualquer posicionamento são no mínimo fervorosas, a atenção precisa ser redobrada.

Nesta segunda-feira (15), três figurões do mundo dos negócios debateram sobre esse desafio na NRF Retail’s Big Show, em Nova York.

Marc Brown, vice-presidente da cadeia de móveis e decoração The Home Depot, Dave Schneider, vice-presidente da marca de calçados Red Wing Shoe Company e Jim “Mack” McIngvale, fundador da rede de móveis sustentáveis Gallery Furniture, deram dicas sobre como aplicar a responsabilidade social nos dias de hoje.

A CAUSE estava lá para conferir! Veja as dicas:

 

1) Encontre valores autênticos

Responsabilidade social é sobre fazer a coisa certa – mas certas segundo quem? A resposta está no propósito da organização, no que ela faz de melhor.

A premissa pode parecer simples – e é –, mas parte da visão realista segundo a qual é difícil resolver os grandes problemas da sociedade (mas é possível contribuir com parte da solução).

Ao reconhecer que não tem a resposta mágica para tudo, uma organização consegue encontrar e cultivar valores autênticos, dificilmente questionáveis, por serem suas fortalezas.   

É mais fácil entender a lógica a partir do exemplo da Red Wing Shoe.  conta que o caminho encontrado por sua empresa  integridade, comunidade e excelência são os valores da Red Wing Shoe, acompanham seus processos do dia-a-dia mas também são reforçados em ações como a capacitação de moradores de rua.

 

2) Mais do que falar, faça!

Mais do que ter valores sólidos, a organização precisa colocá-los em prática, reforçá-los.

Na Red Wing Show, onde os valores são integridade, comunidade e excelência, há um programa de capacitação para moradores de rua das cidades onde há lojas. “Foi a forma que encontramos para fazer nosso discurso se aplicar ao dia a dia”, disse Schneider.

Marc Brown, que reforça a crença da Home Depot no poder da comunidade, também exemplifica: “Não podemos ser locais se não tivermos contato com a nossa comunidade. É por isso que, ao repensarmos nosso propósito, começamos nosso programa de revitalização de casas de veteranos de guerra.”

 

3) Não caia na tentação oportunista

Envolver-se com causas sociais e ambientais é importante, ainda mais em um momento em que a sociedade se mostra verdadeiramente questionadora.

É esse o ambiente em que qualquer sinal de oportunismo é veementemente rejeitado.

Para Schneider, uma organização só deve entrar num debate público se suas lideranças, de fato, forem um exemplo a ser seguido. “Responsabilidade social tem que começar no topo da organização”, diz ele. “Os bons líderes são aqueles capazes de guiar pelo exemplo, e não somente pelo discurso.”

 

4) Proporcione a sensação de pertencimento às pessoas

Num momento em que a tecnologia parece estar substituindo todo e qualquer tipo de interação, Mack, da Gallery Furniture, chama a atenção para a necessidade de se sentir incluído.

No fim das contas, segundo ele, as pessoas se engajam a partir de experiências, a vivência real do dia a dia.

“Todo mundo quer se sentir parte de algo maior”, ele. “Qualquer companhia que consegue gerar pertencimento nas pessoas tem mais chance de fazer suas ações de responsabilidade social surtirem efeito.”

 

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.