Na semana em que Cannes celebra a “Fearless Girl”, igualdade de gênero é destaque

Estátua da “Fearless Girl” no distrito financeiro de Manhattan, em Nova York: um chamado pela igualdade de gênero

Quem visitou o distrito financeiro de Manhattan nos últimos meses provavelmente notou a presença de uma nova moradora ilustre. Instalada às vésperas do Dia Internacional da Mulher, a estátua de bronze da “Fearless Girl”, a menina destemida que desafia o icônico búfalo de Wall Street na foto acima, é uma obra da artista plástica Kristen Visbal que chama a atenção para a disparidade de salários entre homens e mulheres no mercado financeiro.

Na última segunda-feira (19), o festival Cannes Lions concedeu à agência McCann, responsável pelo trabalho, o Grand Prix em três categorias diferentes. No sábado, 24, a criação foi consagrada com o Titanium, o prêmio máximo do festival.

O reconhecimento colocou a igualdade de gênero no centro da discussão do maior evento de criatividade do mundo – e por isso a escolhemos como a Causa da Semana.

A pauta também foi levantada por causa da atuação de Arianna Huffington, fundadora do Huffington Post, na crise da Uber, de cujo conselho de administração ela é membro. Ariana foi peça fundamental nas negociações que culminaram na renúncia do fundador da Uber, Travis Kalanick, na última quarta (21) – e há rumores de que seu poder ficou evidente depois que outro conselheiro deixou o cargo após dirigir-se a ela com uma piada sexista.

Aqui no Brasil, uma declaração polêmica da jovem atriz Maísa Silva deu o que falar nas redes sociais. Em texto publicado no Facebook na terça-feira (20), ela comentou o constrangimento após uma brincadeira sobre relacionamento feita por Silvio Santos num de seus programas. “Até quando mulher vai precisar aceitar tudo?”, questionou.

O debate sobre igualdade de gênero tem ganhado destaque há pelo menos dois anos. E não é para menos. No meio empresarial, mulheres ocupam apenas 37% dos cargos de chefia nas empresas – apesar do papel que executivas como Ariana Huffington já representam em diversas empresas.

Para as marcas, dar tratamento equânime a homens e mulheres é uma questão crucial num momento em que se discute o papel das novas gerações no ambiente de trabalho. Entre jovens profissionais, como Maísa, será cada vez maior a sensação de que equidade é prerrogativa – e não motivo de celebração. Como vimos esta semana, ainda falta muito para atingirmos esse ideal.

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.