Aberje: comunicação empresarial e cidadania

Veículo: ABERJE

Desde sua criação, em 1967, a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, a nossa Aberje, tem por missão ampliar o campo profissional da comunicação e dos relacionamentos públicos. Nessa jornada de quase cinco décadas, lideranças da Aberje e seus associados combateram visões corporativistas e tacanhas que apequenavam nossa atuação.

Hoje, os profissionais de comunicação empresarial (executivos de relações institucionais, jornalistas, relações públicas e profissionais de marketing, publicidade e recursos humanos, entre outros envolvidos em nosso campo de atuação) não conduzem apenas estratégias de comunicação e de relações públicas, mas também de posicionamento de marca, alinhamento de cultura organizacional e engajamento e mobilização da sociedade civil em torno de interesses públicos – em organizações governamentais, da iniciativa privada e da sociedade civil.

Como resultado desse movimento virtuoso do livre pensar e fazer, sem as amarras de limitações corporativistas e de cores políticas, a Aberje expandiu o seu campo de atuação para além dos limites da comunicação e dos relacionamentos públicos. Assim, graças à nossa Aberje, e à militância de associados e profissionais envolvidos com a comunicação e com o relacionamento com públicos de interesse das organizações (tanto os internos como os externos), nosso campo de atuação se ampliou.

No manifesto “A comunicação organizacional frente ao seu tempo”, que, em agosto de 2007, por ocasião dos 40 anos da Aberje, assinei com Paulo Nassar e Renato Janine Ribeiro (com a contribuição de colegas dos conselhos Deliberativo, Consultivo e Fiscal, bem como de diretores dos capítulos regionais), assumimos o compromisso de construir “uma sociedade mais culta, solidária e sustentável”. À época, nossa visão era de que a Aberje seria “o centro de referência e disseminação de conhecimento e práticas de comunicação e relacionamento, inspirando as organizações em suas estratégias de gestão”.

Reconhecendo (agora na condição de associado interessado e militante) que ainda há muito por fazer, acredito que a Aberje está muito próxima de cumprir o desígnio traçado no já distante ano de 2007. Nesse contexto, chegou a hora de levantar a barra e unir forças para construir uma sociedade mais culta, solidária e sustentável. E justa. Com a nossa Aberje.

O desafio não é pequeno. Ainda assim, acredito na causa. Vamos nessa?