Estamos diante de um grande erro na educação. Por quê?


Em meio a uma série de reajustes no governo, quem pagou a conta nesta semana foram as universidades, com a redução de verbas
para instituições federais que “promovem balbúrdia” e para cursos específicos, como filosofia e sociologia.

As declarações completam um cenário pouco otimista, com bolsas de pesquisa atrasadas e possibilidade de mais cortes na área.

Para reafirmar a importância de uma educação de qualidade e da necessidade de não aceitar retrocessos na área, escolhemos a VALORIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR como a #CausaDaSemana.

O que parecia ruim para algumas universidades acabou mal para todo o ensino superior federal do país.

Isso porque o ministro da Educação, Abrahm Weintraub, que havia anunciado o corte de verba para apenas três instituições, resolveu estender a redução de verba para todas as universidades federais depois de ser acusado de praticar retaliação contra as instituições.

Com a redução de receita, algumas universidades temem não conseguir manter as portas abertas. E o futuro nos recursos para o Ensino Superior não devem voltar tão cedo.

O diretor editorial do portal Nova Escola, Leandro Beguoci, participou do podcast Café da Manhã, da Folha, para tentar entender a efetividade da medida proposta pelo governo.

Para Beguoci a medida é irresponsável. “Da forma como está sendo feita ela vai afetar as pessoas mais pobres que trabalham nas universidades, os funcionários terceirizados, a alimentação dos estudantes e a estrutura mais básica, como água, luz e materiais de laboratório”, diz.

O primeiro sinal de que as coisas não iam bem veio ainda no final da semana passada, com a redução de investimentos em cursos de filosofia e sociologia.

Para o governo a conta é simples: trata-se de uma necessidade de readequar a verba a realidade do país e focar em áreas que gerem “retorno mais imediato”, como veterinária, engenharia e medicina.

A notícia da redução de verbas foi comentada pelo jornal The Guardian, que ressaltou a importância dos cursos de humanas na capacidade de interpretação do mundo e resolução de problemas da sociedade.

Apesar das notícias tristes, elas não são uma novidade. Nos últimos 4 anos o Brasil reduziu o investimento em educação em 56%. E assim seguimos longe de ser uma potência na inovação.

No ranking mundial, que avalia 126 países, o Brasil ocupa a 64ª na classificação geral, mas apresenta uma piora na posição do índice em diversos aspectos, como graduados em engenharias e ciências (79º), instituições, (82º), ambiente de negócios (110º) e formação de capital bruto (104º).

Dentro da região latino-americana, o Brasil ocupa a 6ª colocação, atrás de países como Chile, Costa Rica e México.

Os desafios da educação no país não são poucos e, no entanto, parecemos cada vez mais propensos a tapar o sol com a peneira e ignorar que os tempos são outros.

Já não basta ter apenas o conhecimento técnico. O governo parece ter esquecido do objetivo principal da educação: formar um cidadão completo, capaz de olhar de maneira crítica para o mundo e que seja capaz de exercer sua cidadania.

É nosso dever, como cidadãos, cobrar nossos representantes para que eles não esqueçam que a escola é o primeiro lugar em que aprendemos a nos relacionar e conviver em sociedade – uma aula a que muitos deles, aliás, parecem ter faltado. É preciso deixar claro, sobretudo,  que a pior balbúrdia é feita por aqueles que ignoram que não há futuro sem educação.

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.