Como pensar num país rico se 60% de nossas crianças e jovens estão em situação de pobreza?

Bem-estar das crianças em risco: 60% dessa população vive em situação de pobreza no Brasil (Crédito: iStock)

Um relatório divulgado esta semana confirmou algo que apontamos recentemente neste espaço: não estamos garantindo o básico para para futuras gerações.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), 60% das crianças e adolescentes estão em situação de pobreza no Brasil.  

Para falar sobre esse tema tão urgente, elegemos BEM-ESTAR DAS CRIANÇAS como a Causa da Semana.

Ao todo, são 32 milhões de jovens em situação de pobreza de acordo com o relatório “Pobreza na infância e na adolescência”, apresentado na terça-feira (14).

Além dos fatores monetários, a pesquisa leva em consideração o acesso, por meninas e meninos de até 17 anos, a seis direitos básicos: 1) educação, 2) informação (acesso à internet e também à TV), 3) água, 4) saneamento básico, 5) moradia e 6) proteção contra o trabalho infantil.

Considerando essas dimensões, a maior privação enfrentada pelas crianças é a de saneamento básico. Cerca de 13 milhões de crianças e jovens não têm acesso a condições dignas no país. Em seguida, está educação, cujo déficit afeta 8,8 milhões de crianças e jovens.

Os dados sobre a pobreza multidimensional mostram que, no campo das políticas públicas, precisaremos ir além da distribuição de renda. Os reflexos desse quadro são notícias que remetem ao atraso e ao subdesenvolvimento, como a constatação de que a taxa de mortalidade infantil voltou a crescer recentemente.

Se não quisermos continuar regredindo em algo tão básico como bem-estar das crianças, precisaremos de um esforço coletivo para atacar os problemas mais urgentes. Nosso futuro está em jogo.

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.