Balança em desequilíbrio


As trocas de mensagens entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol reveladas em uma série reportagens de alto impacto pelo site The Intercept Brasil, no último domingo (9) mobilizaram o país em torno de debates sobre o tema.

Diante das discussões sobre ética, legalidade e o papel dos  agentes para o bom funcionamento das instituições, elegemos a importância da imparcialidade na Justiça como a #CausaDaSemana.

Os diálogos publicados mostram uma troca de colaborações entre Moro e Dallagnol que sugerem um comprometimento do ex-juiz da operação “Lava Jato” com as hipóteses apresentadas pela acusação e, portanto, uma possível contaminação da imparcialidade nos julgamentos – subversão a qualquer sistema com pretensões democráticas.

Diante da repercussão, ambos se posicionaram alegando que a interação entre juízes e procuradores é algo normal e afirmaram terem suas privacidades violadas. No entanto, não contestam o teor das conversas e, mais do que isso, defenderam o comportamento adotado à época.

O que resta, por enquanto, são incertezas quanto ao que vem por aí. Para alguns, as provas obtidas podem ser usadas para anular uma série de condenações já realizadas e representam indícios de violações a direitos básicos dos que eram réus naquele contexto. Mas há quem discorda e diz que as leis brasileiras não permitem que provas ilícitas sejam usadas para anular o resultado de um julgamento.

Sem minimizar a importância do debate sobre os meios  pelos quais foram obtidas as informações publicadas pelo The Intercept, devemos estar abertos a discutir os riscos que a falta de neutralidade da Justiça traz para a sociedade.

A equidistância de um juiz em relação acusação e defesa são princípios básicos para a garantia de um julgamento justo e imparcial.

A Constituição Brasileira estabelece a igualdade das partes no curso de um processo legal. É preciso cumpri-la e defender a ideia de que, herói ou não, ninguém está acima da lei.

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.