fbpx

A naturalização do racismo

A morte de George Floyd na semana passada nos EUA foi o estopim para uma onda de protestos contra o racismo e a violência, no mundo todo. A ultrajante cena gravada e viralizada globalmente não é um acontecimento isolado na vida da população negra, seja nos Estados Unidos ou Brasil.

Infelizmente, violência policial e racismo são casos frequentes na vida de negros e negras, grupo que representa 54% da população brasileira. Todos os indicadores sociais, seja de escolaridade, emprego ou condições de moradia, expressam como o racismo tem papel determinante na organização da sociedade.  É o racismo que garante a exclusão histórica do povo negro dos espaços de decisão e poder. É o racismo que faz com que negros tenham seus direitos negados. Estes fatores criaram um abismo econômico e social que impede essa parcela da população de avançar.

O mito da democracia racial

Por muitos anos, temos acreditado no mito da  democracia racial no país, onde brancos e negros teoricamente convivem em plena paz e igualdade. O fato é que falhamos como sociedade ao invisibilizarmos o racismo e tornarmos comuns ferramentas de exclusão da população negra – nas escolas, universidades, empresas e outros espaços.

Em nosso país, a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado sem que haja qualquer tipo de consequência política ou social. Mulheres negras recebem menos da metade do salário de um homem branco na mesma posição e nível de instrução e são as maiores vítimas de feminicídio no país.
Aqui o racismo é estrutural e faz parte da nossa cultura.

É resultado de um processo histórico de mais de 300 anos de escravidão, cuja grande parte dos registros históricos foram destruídos, como se a ausência desses documentos pudesse apagar o horror que o povo negro viveu por tantos anos, depois lançado à própria sorte, sem ações compensatórias, após leis de libertação.

Não podemos naturalizar a morte violenta de um jovem negro de 14 anos, dentro da sua própria casa, alvo de mais de 70 tiros da polícia. Enquanto aceitarmos esse tipo de violência e injustiça baseada na cor da pele, regredimos como sociedade.

Desnaturalizando o racismo

É responsabilidade de todos eliminar esse mal da nossa sociedade. Ao longo da semana, vimos campanhas contra o racismo nas redes sociais, mas não bastam hashtags. É preciso ação. Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista.

Levantamento da revista Exame mostra que nenhuma das 25 marcas mais valiosas do Brasil (segundo a lista da consultoria Interbrand) fez publicações sobre o tema nas últimas duas semanas. Há pouca diversidade racial na maior parte das empresas, o que só piora conforme aumenta o salário. Segundo pesquisa do Instituto Ethos, mulheres negras correspondem a apenas 0,4% dos quadros executivos das maiores empresas do país.

É preciso reconhecer que o racismo faz parte da nossa formação como brasileiros e desenvolver ações para combatê-lo, por meio de mobilização que envolva todos os setores da sociedade. Somente assim poderemos falar em democracia racial no Brasil.

Cause

Somos um time multidisciplinar de profissionais das áreas de Administração, Antropologia, Ciência Política, Design, Gestão Pública, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade. Propomos um olhar integrado a partir dessas competências para promover as causas em que acreditamos.